Quinta-feira , 21 Fevereiro 2019
Home / Destaque / Vitória na greve: Desembargador decide a favor dos servidores da educação

Vitória na greve: Desembargador decide a favor dos servidores da educação

A greve dos trabalhadores em educação completa hoje 64 dias de luta pela valorização profissional e o cumprimento do reajuste da categoria.

Na manhã desta sexta-feira (10) o desembargador Dr. Joaquim Santana expediu decisão judicial favorável aos trabalhadores em educação. O texto diz que o governo do estado deve cumprir o Acordo Judicial firmado em 12 de março e publicado no Diário Oficial nº 110 de 16/06/2018, sob pena de multa diária de R$ 15.000,00 (quinze mil reais). Página 1

Greve e conquista históricas com o reconhecimento de uma classe tão desvalorizada pelos gestores públicos reafirma a força dos trabalhadores.

Mesmo com a decisão do desembargador Dr. Joaquim Santana sendo favorável aos trabalhadores em educação, reconhecendo o seu direito de receber o reajuste salarial fixado em Lei e constante em Acordo Judicial, o Estado.

A decisão determina ainda “a interrupção do movimento grevista , após o cumprimento da decisão pelo Estado do Piauí, com retornar aos postos de serviços e exercício de suas atividades na capital e interior, sob pena de multa diária de R$ 15.000,00 (quinze mil reais) com corte de ponto e descontos nos salários dos servidores que descumprirem” (pág. 14)

O Acordo Judicial foi firmado em 12 de março de 2018 e publicado no Diário Oficial nº 110 de 16/06/2018, e diz o seguinte:

Reajuste de 6,871% para professores (ativos, aposentados e pensionistas) na folha de pagamento do mês de maio/18;
Reajuste de 3,15% para os funcionários de escola (ativos, aposentados e pensionistas) na folha de pagamento do mês de maio/18 – reajuste referente a 2017;
Reajuste de 3,95% para os funcionários de escola (ativos, aposentados e pensionistas) na folha de pagamento do mês de setembro/18 – reajuste referente a 2018.
A decisão diz ainda que para o Estado, “não há que se alegar ausência de dotação orçamentária, uma vez que o entendimento do Superior Tribunal de Justiça é de que o cumprimento de decisões judiciais prescinde de prévia dotação”.

LEI ELEITORAL

Sobre a alegação de impossibilidade de conceder reajuste acima da inflação em ano eleitoral, em razão da vedação do artigo 73, VIII, da Lei 9.504/97, foi verificado que o acordo judicial fora firmado bem antes do prazo estabelecido na lei citada, de forma que o cumprimento do mesmo não caracteriza medida eleitoreira.

A decisão diz ainda que os trabalhadores em educação devem retornar ao trabalho após o cumprimento da decisão pelo Estado, ou seja, o governador deve efetuar o pagamento o mais breve possível, e só então os servidores devem retornar aos seus postos de trabalho na capital e no interior. Página 2

A presidente do Sinte-PI, professora Paulina Almeida, está se sentindo vitorioso e agradece a todos os trabalhadores em educação que se mantiveram firmes em busca pelo que é direito da categoria. “Quero agradecer a cada um dos que permaneceram firmes acreditando que a nossa luta seria vitoriosa. Parabéns a todos os trabalhadores em educação”, enfatizou Paulina.

O vice-presidente do Sinte-PI, professor Kassyus, parabeniza a todos os trabalhadores em educação que não se acovardaram diante do desafio e fizeram a greve ser vitoriosa. “Agradecemos ao desembargador Dr. Joaquim Santana pelo respeito e por entender a luta de uma classe tão desvalorizada como o da educação”.

Kassyus destacou ainda que a sentença é uma momento histórico, pois reafirma que os trabalhadores só retornem ao trabalho após o cumprimento da decisão, ou seja, o pagamento no contracheque do servidor. “O Sinte nunca fugiu da luta e nem fugirá! O Sinte somos nós, nossa força, nossa voz!”, finalizou Kassyus Lages.

O Acordo judicial firmado em 12/03/2018, traz os seguintes termos:

Art.1° Fica acordado o encaminhamento de Lei autorizando o reajuste do vencimento dos trabalhadores .em educação básica do Estado do Piauí ocupantes de cargos efetivo no mês de maio de 2018 nos seguintes índices: I – 6,81% (seis inteiros e oitenta e um centésimos por cento), para os profissionais do magistério público da educação básica ocupantes de cargos efetivos; II — 3,15% (três inteiros e vinte e um centésimos por cento), para o pessoal de apoio técnico e administrativo da educação básica ocupante de cargo efetivo. Art. 2° Fica ainda acordado o reajuste do vencimento do para o pessoal de apoio técnico e administrativo da educação básica ocupante de cargo efetivo, no mês de setembro de 2018, o reajuste no percentual de 3,95% (três inteiros e noventa e cinco por cento). Art. 3° Os reajustes autorizados por esta Lei: I- estende-se aos inativos e aos pensionistas de profissionais do magistério público e do pessoal de apoio técnico e administrativo da educação básica nos termos da Constituição Federal e da legislação vigente; II- não se estende ao vencimento dos professores contratados temporariamente com base no art. 37, inciso IX, da Constituição Federal, na Lei n° 5.309 de 17 de julho de 2003 e no Decreto n° 15.547 de 12 de março de 2014. Art. 4° As gratificações, adicionais, indenizações, gratificações incorporadas e quaisquer outras vantagens pecuniárias dos profissionais do magistério público da educação básica do Estado permanecem em seus atuais valores nominais. Não serão descontados os dias parados, devendo haver a reposição das aulas relativas ao período respectivo.

Fonte: SINTE=PI

Veja também

População foi atendida pela Justiça Itinerante em Lagoa do Barro, prefeito classifica ação como “Sucesso”

Foi realizada no município de Lagoa do Barro do Piauí no dia 18 de fevereiro …